23 de nov de 2016

leave a trace


Deixe aquilo que tenta te consumir fazer o que deve fazer se vem de dentro. Deixe que isso suba, esquente teu sangue, domine teus sentidos, te faça até deixar o que é mais importante pra você e apenas guie seus passos pelo caminho mais escuro ou mais claro, apenas por esquentar o teu sangue suficientemente para isso.

É exatamente assim. 

Não sobra nada no final do que apenas alma quando deixamos nossa carne queimar, apenas queimar. Apenas imagine, sem cheiro, apenas sinta, sem sabor, apenas veja, sem método. Deixe consumir até o último minuto, se deixe correr como um louco até que teu coração esteja saindo pela sua boca e depois ajoelhe-se, chore, berre por dentro, mas sinta a carne queimar. Eu juro por e pra você, chega um momento que só sobra alma, só sobra a coisa mais bonita dessa porra toda. Nada, absolutamente nada faz mais sentido do que aquilo que não conseguimos explicar. Não vale a pena sentir queimar por nada mais do que isso. Espaços vazios são espaços vazios, espaços preenchidos são espaços preenchidos. Alma é alma. Salve-se de si mesmo, e preencha de um pouco mais.

Por favor.